Vamos a casa do chef

on Oct 1, 2016 in Piloto Automático | No Comments

Portuguese Table: uma plataforma online que junta gastronomia e hospitalidade.

Portuguese Table

As principais motivações dos turistas que escolhem Portugal como país a visitar são o clima solarengo, a riqueza gastronómica e a hospitalidade das gentes. Foi a olhar para estes dados que Paulo Castro começou a sonhar com a Portuguese Table, apoiada pela Tourism Creative Factory – aceleradora de startups do Turismo de Portugal. Enquanto diretor ibérico de uma multinacional, viveu alguns anos em Barcelona e teve acesso a uma rede de “restaurantes underground” que, há sete anos, estava a dar os primeiros passos: “A proposta consistia em ir jantar a casa de chefs famosos que abriam as portas a pessoas com paixão pela gastronomia. Como gosto de explorar conceitos inovadores, ia com regularidade”. A experiência foi de tal forma entusiasmante que, nas suas viagens pela Europa e EUA, repetia-a sempre que possível. No entanto, foi só depois de ter feito uma pós-graduação em marketing digital que o economista resolveu adaptar a ideia para o mercado português. “Tínhamos de apresentar um projeto final e eu optei por este. Há cerca de 15 anos enamorei-me pelo mundo da gastronomia e fiz vários cursos que agora me permitiram juntar as peças todas.” Durante oito meses andou a estudar possibilidades e, na companhia de outros dois promotores, Paulo Lopes e Jorge Azevedo, foi montando a estrutura daquela que considera “uma espécie de Airbnb para a gastronomia”. “O nosso desafio é adaptar o conceito à realidade do país e recheá-lo de portugalidade.” Ou seja, criar uma mesa única em que as estrelas são a qualidade e diversidade da culinária nacional e a arte de bem receber característica dos portugueses. “Mais do que irem almoçar ou jantar, os turistas têm oportunidade de ver como vivemos e recebemos em nossas casas. Por outro lado, isto dá-lhes um acesso diferente à nossa cultura e história gastronómicas.”

Chefs de trazer por casa

À partida, seja amador ou profissional, qualquer um pode candidatar-se para ser um dos anfitriões da Portuguese Table. Mas há critérios de seleção. “Não basta cozinhar bem, é preciso saber receber e ter uma casa com condições. Depois de conhecermos a motivação de cada chef, vamos lá a casa ver como recebe. Também é importante que saiba falar uma língua estrangeira para poder explicar aos convidados como encaixa nas raízes da nossa cultura o que estão a comer.” Depois de aprovados, os chefs têm de apresentar o menu e fazer um mapa da sua disponibilidade e só a seguir o evento – almoço ou jantar – começa a ser promovido na plataforma. Outro dos objetivos é que os menus sejam compostos por ingredientes ligados à comida caseira tradicional. “Não é preciso ser uma feijoada; pode ser, por exemplo, uma lasanha de bacalhau, ou um caril vegetariano, desde que se explique a ligação dos portugueses com as especiarias que chegavam da Índia.”

Tal como acontece com o alojamento temporário, depois de terem a experiência os convidados podem dizer de sua justiça e avaliá-la online, atribuindo uma classificação ao chef. Além disso, as reservas de refeições devem ser feitas com dois dias de antecedência: “Para que o anfitrião determine a quantidade de ingredientes e para que possa pedir atempadamente aos especialistas da Garrafeira Nacional, com quem temos uma parceria, conselho sobre os vinhos a servir para determinado menu, mediante certo orçamento.”

O primeiro grupo de anfitriões começou a receber convidados em setembro, na zona do Grande Porto (de onde são originários os sócios), e já há vários selecionados em Lisboa, onde a plataforma deverá começar a operar este mês. “A paixão pela cozinha é uma coisa transversal, entre os nossos anfitriões há presidentes de multinacionais e chefs que trabalharam em restaurantes com estrela Michelin.” Por isso, os preços também são diversos, dependendo do menu apresentado: “O preço médio que indicamos anda à volta dos 35 euros por pessoa, mas se alguém propuser um banquete com lagosta, é óbvio que o preço não vai ser esse”.

No início do próximo ano a Portuguese Table vai estar disponível nos Açores e, a partir de março, no Algarve, mas eles querem “chegar onde quer que estejam portugueses por esse mundo fora.”

portuguesetable.com

por Patrícia Brito

Arquivos

Eat Tasty

Através de uma aplicação esta startup gere redes hiperlocais (ao nível do bairro) de cozinheiros e clientes, servindo de intermediária entre quem quer comprar refeições feitas em casa e aqueles que estão dispostos a cozinhá-las. O processo é controlado, desde a qualidade dos ingredientes ao preço da refeição. A Eat Tasty convidou dois chefs a desenharem as ementas e seleciona cozinheiros de bairro dispostos a executá-las, com todo o rigor, fornecendo-lhes diariamente os ingredientes de que necessitam. É uma espécie de Airbnb sofisticado da alimentação. As refeições custam €5,90 e há três opções disponíveis: peixe, carne e vegetariano.

eattasty.com

web design & development 262media.com

A UP Magazine colocou cookies no seu computador para ajudar a melhorar este site. Pode alterar as suas definições de cookies a qualquer altura. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.