Fly London – O mundo a seus pés

on Jan 1, 2009 in Embarque Imediato | No Comments

Leiam com atenção: esta é história da FLY London, uma extraordinária marca de calçado português.

Uma zanga no avião entre os dois sócios, ingleses, que estavam prestes a lançar um projecto arrojado no calçado atirou para Portugal aquela que viria a ser uma das marcas mais famosas nessa área.

Presente na feira de Dusseldorf, onde a tal nova marca iria ser apresentada, o empresário Fortunato Frederico, bem informado, soube do stand que não abriria as portas ao público porque os seus promotores se tinham incompatibilizado. “Queríamos criar uma marca e tínhamos a ideia de fazer um sapato menos pesado, com menos formalismo, um sapato casual, cómodo, mole, jovem e urbano. Quando soubemos do que se estava a passar, percebemos que era precisamente aquilo que tínhamos idealizado e que nos interessava ”, lembra o empresário de Guimarães.

A origem do projecto era inglesa, justamente a nacionalidade do mercado que Fortunato Frederico queria explorar em primeiro lugar, ainda antes de trazer o conceito para Portugal. A marca tinha nome a condizer (FLY London) e o símbolo (uma mosca gigante) era tudo menos vulgar. A estilização da marca agradou a Fortunato, que foi ter com os dois ingleses e lhes comprou todo o projecto: “Paguei-lhes bem, na altura fiquei com pouco dinheiro”, lembra. Assim nascia a FLY London, em 1994.

Calçado para um público jovem (idealmente entre os 15 e os 35 anos), urbano e em que a originalidade seja o principal elemento, do design das solas às combinações de cores e materiais. O código genético dos sapatos FLY London mantém-se intacto há 14 anos e esse é o segredo do sucesso da marca de Guimarães no mercado.

Mais do que a internacionalização, a enorme projecção no estrangeiro assumiu-se como o traço saliente da marca FLY London. A presença de artigos FLY London em feiras e eventos internacionais, bem como o uso dos sapatos por diversas personalidades do espectáculo (ver caixa), a referência na imprensa da especialidade e, em especial, o volume de vendas e a diversidade dos destinos constituem as pegadas planetárias desta marca. Inglaterra é o principal mercado da FLY London, superando mesmo o português (que aparece em segundo lugar, juntamente com a Dinamarca, Alemanha e Estados Unidos). No leque dos destinos mais frequentes está ainda a Espanha.

O Japão é um dos mercados em maior expansão, estando a FLY London a ser vendida nos cinco continentes (e em quase todos os países da Europa), perfazendo um total de mais de 1500 postos de venda. África, China e Brasil são destinos de aposta forte para 2009. Mais de três quartos (79 por cento) do volume de negócios da FLY London são realizados fora de Portugal.

[DDET Ler Mais]

Selfmade-man diferente

Fortunato Frederico, o dono da FLY London, é um self-made-man com um percurso comum aos dos homens de negócio que triunfaram após um caminho percorrido desde o degrau mais baixo, mas com um perfil atípico.

Criado por uma freira (a “freirinha”), Fortunato ingressou no seminário aos 10 anos, onde receberia instrução e o gosto pela literatura e música que o acompanham desde aí. Estudou filosofia, gosta de ler Jean-Paul Sartre, Dostoievski (de quem tem a maioria dos livros) e Gabriel García Marquez. Aprecia jazz, folclore russo e grego e, especialmente, música gregoriana.

Quando sai do seminário, aos 14 anos, vai trabalhar para a fábrica de calçado “Campeão Português”, que considera a “universidade do calçado em Portugal antes do 25 de Abril”. Começa por varrer a fábrica, depois é afinador de máquinas e acaba como responsável por uma linha de montagem. Abandona o seu primeiro emprego em 1972, para aquilo que designa por “tirocínio de quatro anos”, período em que é mecânico e vendedor de máquinas, mas com um único objectivo: ir às feiras internacionais e conhecer toda a indústria e mercado do calçado.

Em 1976, com 33 anos, resolve montar a sua própria empresa e fá-lo em sociedade. Oito anos mais tarde, porém, cansado de trabalhar para as grandes marcas e já com o sonho de criar uma própria, decide autonomizar-se e fundar a Kyaia, em conjunto com Amílcar Monteiro, colega na primeira firma que convenceu a acompanhá-lo e que ainda hoje trabalha consigo (como director comercial).

O nome escolhido para a empresa constituiu uma homenagem a um lugar de Angola onde tinha passado boa parte do serviço militar: “Foi em Kyaia, nas noites em que não tinha nada que fazer, que criei a ideia de, mais tarde ou mais cedo, ter uma fábrica minha, de sapatos, em Portugal. Perdi noites e noites a pensar no projecto. ”

Em 1984, a Kyaia, então empresa singular de calçado, já tinha uma vocação maioritária para a venda internacional. No primeiro ano, com 50 trabalhadores, facturou 750 mil euros. Depois de alguns anos de dificuldades, com algumas multinacionais a procurarem a região do Vale do Ave para disputar a mão-de-obra e a obrigarem a Kyaia a deslocalizar parte da sua produção (ver Caixa), a empresa alcança a estabilidade e começa a projectar o seu crescimento.

A diferença entre o custo da produção e o preço final dos sapatos que produzia para os outros aguça a vontade de Fortunato Frederico criar a sua própria marca e de não se cingir à fabricação de calçado para as outras. É neste contexto que, em 1994, a Kyaia concretiza um objectivo (marca própria) e um conceito que vinha amadurecendo (calçado moderno, jovem e arrojado), com a criação da FLY London.

A internacionalização da marca e da empresa intensificou-se e, em 2005, a Kyaia compra a rede de lojas Foreva (investimento de 7,5 milhões de euros), passando a ter participação em toda a cadeia de valor do calçado. Um ano mais tarde a Kyaia lança uma nova marca, a Softinos.

Actualmente, o grupo Kyaia é constituído por 13 empresas, empregando cerca de 600 trabalhadores. Além do fabrico, distribuição e comercialização de calçado, Fortunato Frederico investiu também no imobiliário (turismo de habitação e lojas), de forma a poder reduzir os custos relacionados com a actividade principal, o calçado. O objectivo é, respectivamente, poder alojar todos os vendedores/clientes que visitem as instalações da Kyaia e transferir (no médio prazo) todas as lojas da sua cadeia para imóveis próprios.

Inteligência emocional

Para Fortunato Frederico – que além de empresário é também presidente da associação do sector, a APICCAPS -, a “inteligência emocional, o instinto e a intuição” são os principais ingredientes do negócio: “o economista pode dizer-me que o negócio é mau, não presta para nada, como aconteceu com a Foreva, mas se eu entender que deve fazer-se, se a minha intuição mo disser, eu faço-o. No caso da Foreva, estava certa, tivemos sucesso”, lembra o empresário.

A gestão dos negócios e dos recursos humanos também tem uma acentuada carga interpessoal. “Quando estou com uma pessoa, rapidamente sei se posso ou não contar com ela para fazer parcerias”, afirma o dono da FLY London, que faz questão que a informação relativa a todos os seus trabalhadores passe por si. Fortunato Frederico conhece a maior parte dos funcionários pelo nome e gosta de saber as suas histórias pessoais.

O projecto da Kyaia tem “objectivos a 10 anos”, e passam por ser a empresa da Península Ibérica a conseguir vender mais calçado. Para já, 2009 é o ano para internacionalizar a Foreva e também lançar no mercado um modelo de calçado ecológico.

[/DDET]

Por Carlos Gonçalo Morais

Arquivos

Os números

— Em 2007 foram fabricados cerca de 500 mil pares FLY London. A marca teve uma facturação de 18,2 milhões de euros (dos quais 14,4 foram comercializados fora de Portugal) e envolveu 354 trabalhadores. A FLY London representa 70 por cento da facturação da produção do Grupo Kyaia. Contando com a distribuição, rede lojas Foreva e imobiliário, a facturação do grupo ascende a 65 milhões de euros e o número de colaboradores a cerca de 600. —

Internacional há 20 anos

— A dimensão internacional da Kyaia vem já desde 1989. Nesse ano, devido à concorrência sobre a mão-de-obra que várias empresas multinacionais faziam à indústria de calçado do Vale do Ave, Fortunato Frederico foi obrigado a deslocalizar parte da sua produção para Paredes de Coura e para… o Paquistão, onde já tinham um parceiro de negócios para as peles. —

Montra FLY London

— A divulgação da marca FLY London leva-a a estar presente em algumas das mais conhecidas feiras internacionais – a Bread & Butter, em Barcelona, a W.S.A, em Las Vegas; a Pure, em Londres; a Who’s Next, em Paris; a MICAM, em Milão ou a Mosshoes, em Moscovo - e a calçar várias estrelas do mundo da música como os Prodigy, Travis, GoldRush, Vive la Fête, PedroAbrunhosa e Fingertips. —

Ecochique em 2009

— No sector onde não é fácil ser amigo do ambiente, as preocupações ecológicas estão na agenda da Kyaia e FLY London. Por isso, vai ser lançada uma linha ecológica para a Primavera-Verão 2009, a Ecochique. Esta gama de sandálias inova no curtimento dos materiais, uma vez que reduz o crómio às quantidades indispensáveis e utiliza sola natural. —

web design & development 262media.com

A UP Magazine colocou cookies no seu computador para ajudar a melhorar este site. Pode alterar as suas definições de cookies a qualquer altura. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.