Menorca, Espanha

on Sep 1, 2017 in Partida | No Comments

A mais autêntica, mais catalã, mais natural e mais preservada das Baleares. A bucólica ilha ficará sempre imune ao turismo de massa.

 

Ainda era dia às oito da noite quando aterrissámos no pequeno aeroporto de Mahón – ou Maó, em catalão –, onde alugámos um carro, que é sem dúvida a melhor opção para se locomover numa ilha que mede apenas 47 quilômetros de comprimento por 17 de largura. O plano era conhecer  Menorca – seletivamente – em três dias, algo nada impossível, pois a única autoestrada, a Me-1, liga o norte ao sul e atravessa vários pontos de interesse como os vilarejos de Alaior, onde se encontra o melhor do reputado queso de Mahón; Es Mercadal, que, apesar da aparência sonolenta, esconde segredos gastronômicos; e Ferreries, cuja principal atração é o outlet de Jaime Mascaró, um artesão de Menorca que faz sucesso mundo afora com a sua marca de sapatos Pretty Ballerinas. Isso sem falar nas duas cidades mais conhecidas encravadas em cada extremo, Maó e Ciutadella, que, por si só, concentram a maioria dos visitantes.

Esta estrada é também um divisor de águas: ao norte, o terreno é arenoso e a costa árida exposta aos fortes ventos. Ao sul, predominam as pedras calcárias e baías protegidas, onde se encontram as mais belas faixas de areia.  Além disso, ao longo de seus 44 quilômetros quase em linha reta, é possível desvendar as bifurcações e os caminhos que levam às atrações da costa, tanto a leste como a oeste, onde se encontram portos, praias desertas, paisagens idílicas, sítios arqueológicos e muito mais. Seguindo a cartilha do bom turista ecológico, a ideia era conhecer tudo do jeito menorquín de ser. Como a infraestrutura hoteleira da ilha se traduz em agriturismo – uma modalidade que mescla as atividades rotineiras de uma fazenda com hospedagem de luxo –, a primeira providência foi procurar se hospedar em um destes hotéis rurais, conhecidos como lloc.

A nossa localização, no recém-inaugurado Agriturisme Ses Talaies, não podia ser mais vantajosa, pois a encantadora Ciutadella estava a apenas 5 minutos de distância de carro. Toda a ilha é uma Reserva da Biosfera da Unesco desde 1993, o que ajudou a manter praticamente intactos uma cultura milenar e o dialeto local, o menorquín, e assegurou para sempre o estado selvagem das idílicas praias e enseadas. A preservação do meio ambiente é levada tão a sério que até mesmo os proprietários locais têm dificuldades para atender às restrições, principalmente quando se trata de construir ou reformar as suas propriedades rurais. E, consequentemente, se tornou o destino perfeito para quem quer zero de vida noturna e preza o contato com a natureza e atividades esportivas ao ar livre, como surf, windsurf, vela, caminhadas, bicicleta de montanha e passeios a cavalo.

Depois de um farto café da manhã abastecido com os produtos orgânicos oriundos da própria finca, saímos em busca das praias desertas do sul recomendadas pela nossa gentil anfitriã. De mapa na mão, moletón por cima da roupa de banho e vigiando o céu azul com medo de uma chuva repentina, passamos batidas por alguns redutos ingleses por excelência, como a Praia de Sant Tomás, Binigaus e Cala Galdana que, é claro, não eram a “nossa praia”. De qualquer forma, a temperatura de final de primavera, apesar do sol, não estava nem um pouco convidativa e a melhor opção era continuar até o tempo esquentar.

A menor das ilhas Baleares é também a mais silenciosa, discreta e, em seu jeito próprio, a mais acolhedora. São muito poucos carros nas estradinhas secundárias e o movimento é quase inexistente. Dirige-se devagar, admirando tudo em volta. A paisagem, na qual a vida rural transparece a cada curva, é, literalmente, um colírio para os olhos. O verde exuberante e o azul do mar, são indescritíveis. Cavalos e gado, rebanhos de carneiros, formações rochosas, bosques e colinas fazem parte do cenário. O povo é reservado, não é de fazer muita festa aos forasteiros, mas os acolhe com educação e respeito. Para ganhar a confiança de um menorquín, é preciso demonstrar que estamos nesta ilha por acreditar que ela é um destino privilegiado.

Em Ciutadella, moram 28 mil pessoas e é por onde circula a maioria dos turistas. A segunda maior cidade de Menorca nos pareceu uma metrópole agitada depois de termos passado as últimas horas em contato apenas com a natureza silenciosa. A antiga capital da ilha deve ser visitada a pé, sem pressa, com intenção de se embrenhar no labirinto formado pelas ruelas estreitas da parte antiga. Festeira por excelência, sempre tem algum evento agitando a cidade, com mais ou menos pompa. O festival anual mais popular é o de São João, nos dias 23 e 24 de junho, quando há procissões, fogos de artifício e cavaleiros fantasiados desfilando no meio da multidão pelas ruas principais, fazendo proezas com suas belas montarias. São dois dias e duas noites de euforia total.

Ao bisbilhotar Ciutadella e suas butiques, entramos em lojas de artesanato e vasculhamos as prateleiras de sandálias típicas – as alvarcas menorquinas – fabricadas exclusivamente na ilha. Os modelos podem parecer esquisitos, mas são confortáveis e custam barato. Há inúmeros cafés alinhados defronte à Placa des Born, onde o programa é ficar sentado tomando uma cerveja gelada ou um café, enquanto se aprecia o vai-e-vem de pedestres. Um dos mais tradicionais restaurantes do porto, o café Balear, é onde as pessoas se fartam com todo tipo de frutos do mar. Para almoçar, basta vagar pelo cais, cravejado por dezenas de restaurantes, e escolher outro simpático local para comer mexilhões e lulas grelhadas. Peixe fresco e principalmente a lagosta se tornaram a especialidade gastronômica de Menorca, e sem dúvida é o que se come de mais saboroso.

Seguindo toda a vida a pé pela orla, se chega ao centro do vilarejo cravejado de casinhas brancas. O cenário é agradável e se compõe harmoniosamente com o portinho, barcos ancorados, bares e restaurantes. É o típico lugar para turista se divertir fazendo compras nas lojinhas e vagar pelas ruas de pedestres e ao longo do cais. O último dia ficou reservado para Maó, que não apenas emprestou seu nome a um dos queijos mais famosos fabricado na Espanha, mas teve uma história turbulenta ao longo dos séculos passados. Com um porto que é considerado como um dos mais protegidos do Mediterrâneo e o segundo maior porto natural do mundo, a capital de Menorca sempre se destacou aos olhos de amigos e… invasores.

menorca.islasbaleares.com

 

texto e fotos Antonella Kann

Arquivos

Cala Algaiarens

É na costa que estão as baías desertas e não é tão óbvio chegar até elas. Mas é fundamental. As mais idílicas sequer estão ao alcance do mapa ou dos olhos e muito menos amparadas com uma sinalização evidente. A famosa Cala Algaiarens é uma enseada mencionada em cada guia, em cada panfleto e por cada menorquín que deseja louvar a mais bela faixa de areia de sua ilha.

 

Cala Mitjana

Cala Mitjana é uma prainha ultracharmosa, ideal para nadar, cujo acesso pode ser feito a pé por uma belíssima trilha na floresta, ou de carro até chegar quase na areia. A água do mar é translúcida e a vegetação em volta abundante.

 

Platges de Fornells

Em Platges de Fornells, um adorável vilarejo de pescadores ao nordeste da ilha, prove-se a famosa caldedreta de llagosta em um dos mais reputados restaurantes, o Cranc Pelut. Porém, o que agrada mais ainda do que a comida suculenta é a gentileza do dono, que, junto com a família, dispensa uma atenção toda especial aos comensais estrangeiros.

Avenida Poeta Gumersind Riera, 98, Fornells \\\ +34 9713 767 43

 

Agriturisme Ca Na Xini

Belo contraste de um templo modernista construído no interior de um palácio antigo. Tudo emoldurado por um parque, um imenso jardim e piscina. Um hotel boutique luxuoso com apenas oito suítes, todas diferentes, com conforto total. Nos fundos, a queijaria funciona normalmente e pode-se observar o trabalho artesanal para a confecção do famoso queijo Mahón. A localização é conveniente e estratégica, entre a capital e a Ciutadella.

Cami de Sant Patrici, Ferreries \\\ + 34 971 374512 \\\ canaxini.com

 

Agriturisme Ses Talaies

Esta charmosa construção de um só pavimento é a mais recente a entrar na lista dos hotéis rurais de Menorca. Qual foi a surpresa ao chegar num estabelecimento com decoração luxuosa e meticulosamente escolhida pelos proprietários, repleta de objetos artesanais confecionados na ilha, toques de design e aconchego em todos os ambientes. Encravadas num imenso jardim, as dez acomodações se debruçam sobre a piscina e um horizonte aprazível cravejado por vegetação endêmica.

RC 01, km 0,9 , Ciutadella \\\ +34 603 63 4121 \\\ sestalaies.com

 

web design & development 262media.com

A UP Magazine colocou cookies no seu computador para ajudar a melhorar este site. Pode alterar as suas definições de cookies a qualquer altura. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.