Cultura e sentimentos, uma viagem guiada pelo poeta Amichai

on Dec 1, 2019 in Bagagem de Mão | No Comments

Yehuda Amichai (1924-2000), um dos grandes poetas hebraicos. Publicou o primeiro livro em 1955, Agora e Outros Dias, esteve ligado à universidade e foi professor de escola preparatória. A poesia marcou todo o seu percurso. Amichai tem um livro com o título: Agora no Ruído – Poemas. E é isso: a poesia como aquilo que aparece subitamente no meio do ruído, uma forma de luz quando alguém parece ter perdido a visão. Pensar por exemplo em alguém que está perdido e quando escuta certos versos encontra o caminho como se os versos fossem uma espécie de indicações de itinerário.

Há sempre a questão religiosa e militar como pano de fundo, porém é a questão da família que está no centro de grande parte da obra de Amichai:

“a porta da minha casa é
a filha menor da porta do céu”

Nestes versos, vemos esse modo de mudar de escala em poucos segundos e também de mostrar que a única forma de acabar algo é começar no início e com passos pequenos. Não se começa com um único salto diretamente para o fim. A única porta, portanto, a que tens acesso é a da tua casa e é dela, diz Amichai, que deverás fazer uma porta grande, essencial.

Em Amichai, a relação com o pai está sempre a infiltrar-se nos versos:

“(…) quando o meu pai morreu
tiraram-no do seu lugar e o lugar ficou vazio
como um poço no meio da estrada com a tampa de ferro
levantada”

Esta precisão da metáfora quando fala da ausência: um poço, um buraco no meio da estrada: a ausência do pai. Noutro poema, esta precisão de novo:

“toda a noite gritaram os teus sapatos vazios
junto à tua cama”

Uma ausência corporal que é anunciada por objetos.

Há uma ternura certeira e comovente quando se fala de relações familiares:

“Um velho cego põe-se de joelhos
para atar o sapato do seu neto”

A mãe também está presente, claro, nos versos de Amijai:

“A minha mãe era a nave espacial da salvação”

A salvação física, psicológica e religiosa rapidamente colocada num campo muito terreno – é a mãe que salva e não uma religião ou um Messias – e, ao mesmo tempo, vista, essa salvação, como algo de extraordinário, fora das possibilidades normais: a mãe como algo terrestre e não terrestre – uma “nave espacial” – mistura muito frequente na poesia de Amijai.

Diga-se que esta afetividade presente na poesia de Amichai é quase sempre muito corporal:

“apoia a tua cabeça no meu ombro
porque o meu ombro
sabe coisas”

Um ombro sabe coisas, coisas não intelectuais, coisas não racionais. O ombro não sabe matemática nem linguística nem a história de um país. Um ombro sabe o que sabe a sua anatomia e a sua fisiologia. E sabe o essencial: ficar forte ao lado de uma cabeça que está em queda; o ombro não deixa a cabeça do outro desamparada. O ombro ali fica, sólido, como se fosse uma matéria eternamente estável. Está ali ao lado e podes pousar nele, no ombro, a cabeça. O ombro sabe coisas bem mais importantes do que aquelas que se aprendem na escola: o ombro sabe estar calado e ser só um apoio. Ombro, pois, que em determinados momentos se torna mais importante que o cérebro ou o raciocínio.

Há também na poesia do poeta hebraico a sensação de que o dia exterior, as notícias e a realidade dura que andam em circulação fora de casa não são o essencial. O essencial está situado da porta da casa para dentro.

Num poema que se chama “Amor antes de começar o Sabat”, Amichai dá esta imagem bem simples, mas decisiva:

“Dentro do quarto, sujo a tua pele
com dedos do jornal do dia”

Eis dois versos típicos de Amichai: há o exterior, o mundo – e o que se ama dentro de casa. Há nesta passagem, à primeira vista, uma evidência que parece meramente física, como todos, aliás, já tivemos essa experiência: o material, a tinta dos jornais, suja os dedos, eis o concreto. Mas se olharmos com mais atenção para estes dois versos veremos que já não parece ser apenas a tinta que suja a pele do corpo amado, mas as próprias notícias, o próprio conteúdo que a tinta escrevera no papel. Como se o século e os seus acontecimentos perturbassem o toque amoroso, o sujassem.

Yehuda Amichai, grandíssimo poeta hebraico, que todos devemos ler para conhecer melhor essa parte do mundo.

 

por Gonçalo M. Tavares

Arquivos

web design & development 262media.com

A UP Magazine colocou cookies no seu computador para ajudar a melhorar este site. Pode alterar as suas definições de cookies a qualquer altura. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.